Prefeitos estão de malas prontas para deixar FPA e ingressar no partido do governador do Acre

O PT nega que a prefeita de Rio Branco, Socorro Neri tenha dito “não” ao ex-senador Jorge Viana sobre uma suposta proposta de filiação à sigla. A mesma coisa não pode falar a respeito da revoada que vem sofrendo nos últimos meses. Mesmo que os mais aguerridos filiados não enxerguem assim, é um sinal de que o prestígio do partido virou pó. E os poucos fiapos que restam na chamada Frente Popular do Acre (FPA), que se apresentou a partir de 1999 como catalisadora da mudança, anunciam revoada essa semana.

Cinco prefeitos ligados aos partidos do PSB, PROS, PRP e PCdoB devem se desligar do grupo idealizado por Jorge Viana em 1999, quando ele assumiu os destinos do estado, rompendo com desenvolvimento propagado a partir da década de 1970, que se baseava na expansão da pecuária, na chegada dos “paulistas”, no desmatamento e na grilagem de terras.

Coincidentemente, esses gestores, devem se alinham com a nova proposta implantada pelo governador Gladson Cameli, que prevê o agronegócio como alternativa para o crescimento econômico do Acre. Tião Flores (Epitaciolândia), Ederaldo Caetano (Acrelândia), Bené Damasceno (Porto Acre), Romualdo Araújo (Bujari) e Assis Moura (Santa Rosa do Purus), estão de malas prontas para assinar a ficha de filiação ao Progressistas, partido do Palácio Rio Branco. Outra pré-candidata do REDE, partido da ex-senadora Marina Silva, Janaina Furtado, também ingressa nas fileiras do partido comandado pela senadora Mailza Gomes. Janaina é pré-candidata a prefeita de Tarauacá.

Ainda não se sabe se os motivos reais da revoada é a questão econômica. Entre as adesões, Ederaldo Caetano, administra uma das cidades com maior polo de produção agrícola do estado: Acrelândia. Outros gestores são de cidades que sofrem com a falta de infraestrutura, perspectivas econômicas, desemprego e desigualdades sociais. O impacto mesmo é político. Todos os prefeitos que decidiram abandonar a FPA, em geral, devem ser candidatos à reeleição no ano que vem.

Com as novas filiações, de acordo com levantamento feito pelo ac24horas, a FPA perde 50% das cidades em que conseguiu eleger prefeitos em 2016, saindo de um total de 10 prefeituras, para cinco. Permanecem fieis ao projeto idealizado pelos irmãos Vianas, os prefeitos Leila Galvão (Brasileia), Isaac Lima (Mâncio Lima), Bira Vasconcelos (Xapuri), Elson Farias (Jordão) e Socorro Neri (Rio Branco). A situação, comandada pelo Palácio Rio Branco, salta de 12 para 17 prefeituras.

A engenharia política montada dentro do Progressistas para adesão dos novos prefeitos traz de volta ao cenário de confiança do Palácio Rio Branco, o deputado estadual José Bestene, que até semana passada era considerado “rebelde sem causa”, devido à crise da derrubada dos vetos, episódio que exigiu envergadura da Casa Civil e a articulação política do governo.

Mas, de acordo com o que a reportagem apurou, teria sido de Cameli a palavra final para adesão dos prefeitos, uma vez que tal proposta encontrava resistência no grupo liderado pela senadora Mailza Gomes, atual presidente regional da sigla. Mailza não ficou sem participação no contorno de toda crise que envolvia as principais lideranças progressistas no Acre. Ela desempenhou papel importante para a manutenção do governador no partido. Uma nota, assinada pela senadora, colocou fim no início da semana passada, especulações da ida de Cameli para o grupo do PSDB, comandado pelo vice-governador Major Rocha.

Com cachimbo da paz Progressistas buscam novo momento e falam em reeleição de Cameli

Segundo assessores do Palácio Rio Branco, com o cachimbo da paz reinando entre as principais lideranças do partido do governador, fala-se na construção de uma ampla frente de partidos nas eleições do ano que vem, para manutenção da dianteira no mapa político e, retomada de cidades estratégicas, como os municípios de Brasileia e Xapuri, hoje, administrados por petistas.

Para Rio Branco, o nome do secretário de articulação política, Alysson Bestene é uma das cartas da manga que Gladson Cameli não abre mão. O nome de Tião Bocalom também vem sendo trabalhado. A filiação do suplente de deputado federal no Progressistas não está descartada.

O governador Gladson Cameli já manifestou seu interesse em concorrer à reeleição. O chefe do executivo aposta todas as fichas na reforma da previdência, na distribuição dos recursos dos royalties do pré-sal e no pacto federativo proposto pelo presidente Jair Bolsonaro, para a realização de obras estruturantes na capital e nas cidades de Brasileia e Epitaciolândia, Xapuri, Sena Madureira e Cruzeiro do Sul. Obras como a ponte sobre o rio Sibéria, a ponte do segundo distrito de Sena Madureira, Viadutos e a Orla do XV em Rio Branco, a Orla de Cruzeiro do Sul, serão priorizadas como fundamentais para o projeto progressista.

FPA vive a pior crise desde a sua fundação na virada do século

Se por um lado, progressistas estão eufóricos com o novo momento politico e os primeiros resultados na gestão do governador Gladson Cameli, por outro, o ex-senador Jorge Viana não esconde sua decepção com a pior crise da Frente de partidos idealizada por ele.

Com as adesões dos novos prefeitos ao projeto do Palácio Rio Branco, a FPA – que já administrou 17 municípios – vive a pior crise de sua história. O Partido dos Trabalhadores tem gestão em apenas três municípios: Xapuri, Mâncio Lima e Brasileia. O PCdoB administra o município de Jordão e o PSB, a prefeitura da capital.

A readequação do discurso de planejamento e promoção de desenvolvimento, adotada nos últimos quatro anos do ex-governador Sebastião Viana, não deu certo. O novo salto anunciado com base na valorização da tradição, da história, em uma tentativa de construir uma economia de base florestal, ficou mesmo somente no discurso.

Fonte: Ac 24 horas

Veja também