Pai que matou filho no Acre vivia sob agressão e agiu em legítima defesa, diz parente

“A qualquer momento sabíamos que chegaria a notícia de que um deles mataria o outro”. A frase é de um parente de José Barbosa Bispo, homem acusado de matar o próprio filho na tarde deste domingo (9), após desentendimento no bairro Abraão Alab.

A vítima, Raimundo José Marque Bispo, de 19 anos, foi atingida com uma única facada na coxa. O golpe acertou a artéria femoral e o jovem morreu de hemorragia antes de ser socorrido pelos médicos.

O parente do suspeito, que não quis se identificar, afirmou, em entrevista ao ContilNet, que o filho agredia o pai de 60 anos constantemente. Os dois haviam discutido e o jovem teria partido para cima do idoso, “que se defendeu com uma faca que estava em cima da mesa. Ele ainda tentou estancar o sangue do filho, mas sem sucesso”, explicou.

“Foi uma fatalidade. José está muito arrependido. Mas ou era ele ou o menino. Os vizinhos são testemunhas de que o senhor sofria agressões frequentes. Já havia até contado para os outros dois filhos de esposas diferentes que ele temia que o jovem o matasse”.

Segundo o parente, o menino era usuário de drogas desde os 13 anos e já foi internado em uma pousada após cometer assaltos. Inicialmente, era filiado ao B13, mas passou para o Comando Vermelho. Ele morava com a mãe no Ayrton Sena, na baixada da Sobral.

Já o idoso luta há anos contra um câncer e passou a beber constantemente com a depressão adquirida após o envolvimento do filho com as facções. Ele estava bêbado no momento em que teria atingido o menino com a faca. Depois do golpe, foi até a casa da mãe, a 400 metros do apartamento alugado onde vivia, e depois se entregou à polícia, momento em que confessou o crime.

“Ao contrário do que disseram, ele não fugiu e nem se escondeu. Sequer foi levado algemado à delegacia. Estamos diante de um caso de legítima defesa. O filho vivia perturbando e agredindo o pai. Foi uma tragédia anunciada”.

Fonte: ContilNet

Veja também