Ivete Sangalo descreve como seria o sexo ideal e fala de intimidades com o marido

Ivete Sangalo sempre foi bem franca em relação aos mais variados assuntos e irreverente no modo de falar sobre eles. Em entrevista à DJ Jude Paulla, numa live no Instagram, a baiana trouxe à tona várias revelações sobre o sexo em si, intimidades com o marido e como a família introduziu a temática.

Casada com Daniel Cady desde 2011 e tendo três filhos com ele, a cantora foi direta ao contar que não nega fogo: “Mainha faz muitas coisas. Eu sou bem onça pintada. Eu não sou gatinha manhosa nem na vida. Eu não durmo no ponto. Sexo tem de ser gostoso, bom, tem que cansar. Não jogo para perder”.

Sobre os momentos mais ousados com o esposo, Ivete explicou que já entende quando ele a quer na cama: “Daniel me manda muitos sinais: ele põe uma música, então eu já sei. É quase que uma dança do acasalamento. Ele manda uns códigos corporais que ninguém percebe”.

Por ser bem empoderada em relação às horas em que não quer transar, a famosa deixou clara uma coisa: “Nunca fingi orgasmo porque meu jogo é limpo. Quando você acredita e gosta, tem um relacionamento que é importante e gostoso. O sexo hoje é muito validado pelo ato, mas são tantas possibilidades… a gente é muito alienado. Tem abraço, o toque, o desejo do outro… Tudo isso é prazer! Sexo não é só penetração. Isso de fingir orgasmo, você não está mentindo para o parceiro e sim para você mesma”.

Para Ivete Sangalo, sua noção das diversas questões sexuais vem da família não tratar o assunto como tabu: “O tema sexo era tratado como uma alegria na vida da gente. Tive aconselhamentos por parte do meu pai e da minha mãe com relação a conselhos que se tornaram cruciais na vida de uma criança, como não sentar no colo de pessoas, nenhuma… Eu precisava cuidar do meu corpo”.

Meu pai tinha problemas sérios por conta das complicações da diabetes, então ele ficava muito tempo deitado na cama. Minha mãe tratava das feridas dele e, vez ou outra, eu chegava no quarto e ele estava nuzão lá. Aquilo nunca foi uma questão. Meus irmãos andavam de cueca, eventualmente eu via nu, ou minhas irmãs… Mas não era um propósito andar pelado. Aquilo não era tratado de forma negativa e sim com naturalidade. Nunca foi um tabu na minha casa e eu agradeço muito por isso. Minhas descobertas sexuais foram muito positivas”, prosseguiu a mãe de Marcelo, Marina e Helena.

Voltando ao assunto do sexo, já no final do bate-papo, Ivete surpreendeu ao afirmar que é avessa à músicas na hora da transa: “Eu sou uma pessoa que não consigo ouvir músicas na hora que estou fazendo ousadia. Eu fico dispersa prestando atenção na mixagem, fico ouvindo quando entra um coro maravilhoso… Então eu tenho que desligar. É uma loucura”.

Na hora H, eu prefiro a música da própria onda. Eu ouço música sempre saboreando as coisas da música. Não dá para assoviar e chupar cana. Como artista, em cima do trio ou do palco, eu tenho minha independência e fico focada na minha sensação. O mesmo parâmetro eu uso para o momento sexo. Eu preciso curtir cada momento”, finalizou Ivete Sangalo, dando a entender que prefere ouvir mais os gemidos e sons da relação com Daniel.

Veja também