Investimento do Acre em internet para educação é considerado baixo

Ao menos 9.000 estudantes acreanos precisariam receber material impresso em casa enquanto realizam atividades educacionais remotas. De outro lado, o gasto do Acre com internet de qualidade figura como “baixo” no mapa elaborado pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). O mapa estima o nível de investimento da pré-escola à graduação.

Os dados apontam que uma parcela considerável dos estudantes brasileiros de instituições públicas de ensino não possui as condições necessárias para acompanhar as atividades de ensino remoto propostas durante o período de isolamento social que ocorre durante a pandemia da Covid-19.

Uma parte destes alunos não pode participar das atividades por não terem acesso aos equipamentos necessários para a transmissão de dados. Outros não tem acesso a mecanismos de transmissão, como a internet e ao sinal de TV digital.

As estimativas foram construídas considerando o número de estudantes que poderiam passar a ter acesso ao ensino remoto ao receber os instrumentos necessários: um tablet ou celular; um chip de dados para os que puderem utilizar a internet para terem acesso às atividades escolares; e um kit com conversor digital e antena digital interna para os estudantes sem acesso à internet, mas com um aparelho de televisão em seus domicílios. Considerando apenas a aquisição desses equipamentos, chegou-se ao valor aproximado de R$ 3,9 bilhões, sem considerar outros custos necessários à implementação da política, como os de distribuição desses equipamentos. Entre 250 mil e 300 mil estudantes sem acesso ficariam sem a possibilidade de serem atingidos por essa política, sendo necessárias outras formas de garantir a permanência desses estudantes no ano escolar.

ac24horas encaminhou via assessoria de imprensa, perguntas à diretoria que cuida de EAD na Secretaria de Estado da Educação e mantém o texto aberto à manifestação do poder público em relação à pesquisa do Ipea.

Fonte: AC 24 horas

Veja também