Grupo escolherá o corno do ano no Acre em 1º encontro da “categoria”: “já tá lotado de gente querendo participar”

Ser corno deixou de ser constrangedor faz tempo. É assunto e notícia nas rodas de conversas em qualquer local. O povo acostumou a falar de chifres da maneira mais humorada possível. Assuma logo, pois quem toma galhada numa cidade como Rio Branco nunca irá esconder isso de ninguém.

A Ascornacre, Associação dos Cornos do Acre, convoca os filiados e os simpatizantes para fazer deste um grande evento. A direção da entidade espera receber um público superior a 500 pessoas no evento que, provavelmente, acontecerá no Parque das Acácias, localizado no Bairro Floresta, em Rio Branco. A data: 15 de novembro.

Será um dia de interação, histórias de traição e muita música. “Já tá lotado de gente querendo participar”, diz Sebastião Luiz, membro do grupo. “Vai ter corno chorando, contando suas histórias, enxugando suas mágoas…..”, diz Thiago Farias, organizador do evento. Ele revela que haverá homenagens diversas, inclusive para aquele que for escolhido o corno do ano no Acre.

“A gente sabe que o Tião Cagão já passou por oito casamentos e já pegou chifre nesse novo, agora. Então ele pode ser eleito o corno do ano. Outros que foram muito falados, badalados, podem receber essa homenagem.

O grupo estuda a possibilidade de fazer um pré-encontro que seria no Bar Municipal, onde a Ascornacre irá distribuir camisetas e passar mais informações sobre o evento principal. Amigos da imprensa são parceiros na divulgação da festa.

“Será uma confraternização de todos os cornos do Acre. A temática brega e da sofrência irá embalar a nossa festa. Acho que será um sucesso”, declarou Thiago, que organizo evento.

Ele diz que um encontro ainda maior será realizado antes do final do ano. O cantor Wanderley Andrade pode ser a atração principal. “Vai ser algo para abalar a estrutura do estado. O que tem de corno aqui não é brincadeira”, diz bem humorado.

A reportagem quis saber:

É mais vergonhoso para o corno ou para a mulher bandida?

“Fica feio para os dois. Mas os tempos são outros. Antes a mulher era tida como a pior das mulheres. Hoje sabemos que a traição parte dos dois lados. Há muito homem que bate, agride e até mata. Chifre virou sinônimo de reflexão. Obriga a pessoa a refletir e se inserir num sistema que não tem volta. A Ascornacre tem o papel tratar, aconselhar e abrir a mente daqueles que tratam o assunto com ódio e rancor. É preciso se conformar e se assumir corno regenerado”.

Fonte: Acjornal.com

Veja também