Covid-19: pela 1ª vez desde o começo da pandemia, brasileiros recebem boa notícia

Pela primeira vez desde que começou a pandemia do coronavírus, os brasileiros recebem uma boa notícia. O país apresentou um número de queda nas mortes pela Covid-19. A média móvel de falecimentos em virtude do vírus caiu 17%, conforme levantamento realizado até às 20h deste último sábado, 5 de setembro, pelo consórcio de veículos de imprensa. Os dados usados são coletados das secretarias estaduais de Saúde.

As variações ocorridas estão dentro dos critérios do levantamento e os números atuais indicam uma estabilidade. O Brasil teve o registro de 646 mortes por causa do coronavírus que foram confirmadas nas últimas 24 horas. O número de mortos em virtude da doença atingiu o total de 126.230.

Com esses dados, a média móvel de falecimentos nos últimos sete dias foi de 819. A quantidade de brasileiros infectados com a Covid-19 chegou a marca de mais de 4 milhões de pessoas desde o começo da pandemia. Desse montante, 34.487 foram confirmados nas últimas 24 horas. Em contrapartida, alguns estados tiveram alta de mortes por causa do coronavírus. Entre eles estão os estados do Amazonas, Tocantins e Ceará.

Infelizmente, ainda não existe uma medicação ou vacina para a Covid-19. A melhor maneira de lidar com o vírus é a prevenção, mantendo o distanciamento social e as regras básicas de higiene como lavar as mãos com água e sabão, usar álcool gel e também o uso de máscaras faciais. Todos esses são os atuais meios de evitar a contaminação pela doença.

Alguns estados já estão retomando as atividades não emergenciais, porém obedecendo às regras impostas pelas autoridades. As aulas ainda continuam suspensas em vários estados brasileiros, porém, em algumas localidades, o retorno das atividades escolares já começam a ser liberadas.

A Covid-19 começou na China no final do ano de 2019 e se espalhou pelo mundo inteiro. A pandemia já ceifou a vida de milhares de pessoas ao redor do planeta. Atualmente, algumas vacinas já se encontram em fase final de testes e os especialistas acreditam que estará liberada para vacinação em massa até o começo de 2021.

Veja também