Com uma morte, Acre tem 50 casos de Covid-19 confirmados pela Saúde

Depois de ter registrado, nesta segunda-feira (6), a primeira morte causada por Covid-19, o Acre tem mais 50 casos da doença. A informação faz parte do novo boletim da Secretaria Estadual de Saúde (Sesacre) divulgado nesta segunda.

No último boletim, eram 48 casos, com duas novas testagens positivas para a doença, esse número foi para 50. Os casos se concentram nas cidades de Rio Branco, Acrelândia, Porto Acre e agora também em Plácido de Castro.

O novos casos confirmados são da aposentada de 79 anos que faleceu na UPA do Segundo Distrito, no início da tarde desta segunda-feira. O segundo caso confirmado é do município de Plácido de Castro, um professor de 54 anos, que foi instruído a ficar de quarentena.

Saúde diz que dos 50 pacientes, 26 já podem ser considerados recuperados, ou seja, não apresentam mais o vírus no organismo, configurando assim uma taxa de recuperação de 52% dos pacientes.

A Saúde informou que recebeu 641 casos suspeitos, descartou 512, confirmou 50 e mais 79 seguem em análise. Dos confirmados, 39 são em Rio Branco; nove em Acrelândia, um em Porto Acre e um em Plácido de Castro.

Um óbito

A idosa Antônia Holanda, de 79 anos, morreu na manhã desta segunda (6) após seguidas paradas cardíacas. Ela estava internada na Unidade de Pronto Atendimento do Segundo Distrito de Rio Branco desde sexta-feira (3). A família disse que não desconfiava da doença até o exame atestar positivo para Covid-19.

Uma das primeira pacientes diagnosticadas com a doença, Isabella da Silva, de 37 anos, recebeu alta neste sábado (4). Em casa ela falou ao G1 sobre como enfrentou a doença e que também se considerava um milagre.

Uma idosa de 77 permanece também na UTI do PS, em Rio Branco, em estado grave, segundo a Saúde. Mas também nesta quinta ela já respira sem ajuda de aparelhos, segundo a Saúde.

Todos os casos confirmados estão sendo acompanhados de perto pela equipe da Vigilância Epidemiológica no âmbito estadual e municipal.

Alunos de medicina da Universidade Federal do Acre (Ufac) criaram um canal de teleatendimento que está ajudando nas orientações e até encaminhamentos de casos suspeitos da doença.

Fonte: G1 acre

Veja também